14 maio, 2022

Casio Edifice EFV-140: um cheirinho a Omega...

 

Já aqui falei de um Casio que pisca o olho ao Audemars Piguet Royal Oak, ainda que não o copiando (aliás, gosto tanto desse relógio, que acabei por comprar um!). Hoje, trago-vos mais um que claramente foi buscar inspiração a outro clássico do mundo da relojoaria, o Casio Edifice EFV-140.

Trata-se de um relógio que se inspira no Omega Seamaster Aqua Terra, inspiração essa que é visível não apenas nas proporções da caixa, mas também no mostrador, com as suas riscas horizontais, nas cores (gosto sobretudo da versão em verde), na forma e tipo de índices e no facto de possuir um dos ponteiros que termina numa seta (que aqui é o ponteiro das horas mas nos Omega é o dos minutos).

Sendo este um modelo novo (à data da publicação deste texto, ainda não estava sequer à venda na loja oficial da marca nem na Amazon), ele é na realidade uma versão nova de um outro, semelhante, com a referência EFV-100D, mas cuja diferença mais evidente é o mostrador totalmente liso.

Como se pode ver pelo GIF animado, existem variantes com mostrador preto, azul e verde, todas com bracelete em aço; e com mostrador prateado e preto com bracelete em pele.

Ao contrário do modelo EFR-S108D-1AVUEF, que a comunidade de entusiastas de relojoaria apelida carinhosamente de "CasiOak", o nível de execução deste modelo não é tão elevado, algo sobretudo evidente pela opção de utilizar vidro mineral em vez de safira para proteger o mostrador.

Há outro aspeto a considerar, e esse prende-se com as dimensões: as fotos, sem qualquer ponto de referência, não deixam transparecer o formato um pouco maior do que seria de supor. Enquanto o Omega Aqua Terra tem uma caixa de 41mm, este Casio surge aqui com dimensões consideráveis de 43,9mm de diâmetro, o que para muitas pessoas pode ser demasiado grande. Comparativamente, o modelo anterior (EFV-100), tem uma caixa com uns muito mais razoáveis 42mm.

No entanto, tendo em consideração que o referido Omega que serviu de inspiração a este modelo custa mais de 6.000€ e este relógio, quando começar a ser vendido, poderá ser adquirido por menos de 100€, continua a parecer-me um bom negócio!

01 maio, 2022

Tissot Savonnette Mechanical: regresso ao passado

 


O relógio que vos trago hoje não é um relógio de pulso: é o tipo de relógio que se usava antes de se usarem relógios de pulso. No início do século XX, até ao final dos anos 30, o relógio de bolso era uma peça essencial para complementar a indumentária do verdadeiro cavalheiro.

O Tissot Savonnette Mechanical (ref.ª T83.6.402.12) traz-nos de volta a esses tempos, com um movimento mecânico de carga manual (na altura, os movimentos automáticos ainda não tinham sido inventados) que, sendo hoje propriedade do grupo ETA, tem origens muito mais antigas (foi criado nos anos 50) e foi realmente usado como movimento para relógios de bolso: o Unitas 6498-1.

O advento dos relógios de pulso quase remeteu este movimento ao esquecimento, uma vez que é fisicamente grande (36,6mm) mas mais recentemente, com a popularidade dos relógios desportivos de grandes dimensões, voltou a ser popular. Neste caso, a variante usada é a 6498-1, com pequenos segundos e uma frequência de funcionamento de 2,5 Hz (18.000 alternâncias por hora). 

Seja para complementar a roupa (ou o look de hipster!) ou para completar a coleção, esta é uma peça interessante. A caixa, em aço, tem uma tampa para proteger o mostrador (e ainda bem, porque o vidro é mineral, e não de safira) e o conjunto inclui a clássica corrente. O diâmetro, substancial, é de quase 50mm (49,40mm, em rigor).

O mostrador, no caso desta variante, tem numerais arábicos em todas as posições horárias exceto às 6h00, para dar espaço ao sub-mostrador de pequenos segundos. Existem diversas variantes deste relógio na coleção T-Pocket, entre elas uma igual mas com numerais romanos. O preço de referência deste relógio é de 750€, mas pode ser encontrado na Amazon Espanha por 600€.