16 de junho de 2021

Roschenbold Calenda: a oriente, tudo de novo

 

A Roschenbold é uma empresa de Hong Kong que produz relógios baseados em movimentos mecânicos chineses. O seu mote é "Going Beyond the Date Complication", ou seja, ir para além da complicação de data. E basta uma rápida vista de olhos pelas suas coleções para perceber o quanto a marca leva essa ideia a sério.

Neste momento, a Roschenbold tem apenas três coleções, cada uma delas com algumas (poucas) variantes ao nível de cor do mostrador e bracelete: Calenda (este que vos trago hoje), com big date em janela dupla e calendário analógico através de dois sub-mostradores que exibem o mês e o dia da semana; Intervalo, um bonito cronógrafo mecânico; e Volante, aquele de que gosto menos, e que oferece um mostrador tipo open heart com exposição do balanço e dia e data através de dois sub-mostradores.

Nada sei sobre a empresa além daquilo que pode ser observado no seu website, mas gosto da transparência (por exemplo, são claros ao indicar que o seu centro logístico está em Hong Kong e que é daí que os relógios serão enviados, muito embora estejam a considerar abrir armazéns na Europa em breve) e do facto de terem poucas coleções, mas bem executadas.

Como disse no início, os movimentos utilizados são de origem Seagull mas que a Roschenbold regula para uma precisão melhorada. Além disso, têm todos decoração, algo que pode ser observado pelas tampas em vidro presentes em todos os modelos.

Além dos movimentos, a marca claramente optou de forma consciente por economias de escala, ao dotar todos os seus modelos de desenhos, caixas e braceletes idênticas, sem por isso deixar de criar uma identidade própria e peças com um desenho elegante e original.

Regressando a este Calenda, na sua variante Charcoal, praticamente tudo nele é do meu agrado, a começar pela complicação de "grande data" através de dois discos, na posição das 12h00., cortesia do movimento Seagull  ST2527. A caixa, em aço, tem 42mm de diâmetro e resistência à água de 5 atmosferas. A bracelete, em pele, possui fecho tipo borboleta; está disponível uma variante um pouco mais cara que inclui, além desta, uma bracelete em aço de malha milanesa.

A relativamente grande altura da caixa (15mm) é a maior incógnita sobre a forma como este relógio ficará no pulso e poderá ser usado no dia-a-dia.

O mostrador é, talvez, o aspeto mais original deste relógio, com o nome da marca orgulhosamente inscrito entre as 10h30 e as 1h30 e sem quaisquer índices ou numerais  mas com uma escala de tipo "caminho-de-ferro" modificada para uma melhor granularidade na leitura dos minutos/segundos. O vidro é de safira com revestimento antirreflexo.

Se, ao longo do artigo, foi clicando nos links, já deve ter percebido porque é que este relógio com aspeto de custar largas centenas de euros, está aqui: o seu PVP é de apenas 358,95€. É verdade que vem de Hong Kong, o que irá certamente levar à cobrança de taxas de alfândega. Mas, caso a promessa da Roschenbold em abrir um centro logístico na Europa se concretize, este relógio será certamente um dos próximos da minha coleção.



6 de junho de 2021

Deep Blue Master 1000 Chronograph: pau para toda a obra


Normalmente, gosto de falar de relógios que eu mesmo compraria; no entanto, este Deep Blue não é para mim, devido à sua caixa com um diâmetro um pouco fora do que considero razoável para o meu pulso: 45mm. Mas, como ainda assim o considero interessante, vale bem uma referência, até porque estamos a chegar ao Verão... 

Deep Blue Master 1000 Chronograph é um modelo desportivo particularmente polivalente, uma vez que conjuga a funcionalidade de um relógio de mergulho com um cronógrafo e ainda oferece a complicação de dia e data, o que o torna num prático daily driver.  

O movimento usado é o Miyota 0S10, uma evolução do 0S00 de que já aqui falámos anteriormente, que tem agora a funcionalidade de quick reset do cronógrafo, como acontece nos cronos mecânicos. Além disso, o layout de três sub-mostradores às 12, 6 e 9 horas com dia e data às 3h00 remete-nos de imediato para os cronógrafos automáticos baseados no ETA 7750.

Como disse logo no início, este é um relógio grande, com caixa 45mm de diâmetro, e que oferece resistência á água até 300 metros, ou seja, 1000 pés – o que explica a referência no nome. A coroa às 10h00 é uma válvula de hélio manual, o que significa que pode ser usado em mergulho de saturação. O bisel, unidirecional, é de 120 cliques, em alumínio (menos resistente do que projetos semelhantes, embora mais caros, com biséis em material cerâmico).

O resto da execução não está mesmo nada mal para o preço pedido (333 dólares), uma vez que inclui vidro de safira e bracelete em aço. Apesar de não surgir no website europeu da marca, qualquer modelo presente no site dos EUA pode ser adquirido também a partir da Europa, evitando assim chatices com impostos. Uma versão com bracelete em borracha é ainda mais acessível (249 dólares).