17 agosto, 2022

Steinhart Ocean One Titanium 500: o último dos moicanos?

 


O Steinhart Ocean One Titanium 500 é quase uma singularidade na gama atual da marca alemã: um relógio de mergulho realmente original e que não é baseado em qualquer outro modelo da Rolex ou da Tudor.

Admito que, no passado, dei mais desconto à Steinhart, nomeadamente no que diz respeito à criação de hommages, ou seja, relógios que seguem de perto o desenho de outros modelos de marcas consagradas, sem no entanto tentarem vender gato por lebre. Uma "homenagem"... Certo... Pois... A verdade é que já dei para esse peditório e hoje tenho uma tolerância muito menor para estas... *tosse*... homenagens.

A Steinhart, no entanto, deve vender esses relógios (90% da sua gama é baseada em modelos da Rolex e Tudor) como pãezinhos quentes mesmo que isso (na minha modestíssima opinião) constitua algo que leva a uma erosão do prestígio da marca. Ou seja, está a trocar proveitos de curto prazo pela sua sobrevivência a longo prazo. Mas imagino que cada uma sabe de si, claro... (em sentido contrário, veja-se o que britânica Christopher Ward, fundada cinco anos depois da Steinhart, conseguiu, trilhando o seu próprio caminho, com desenhos originais). 

E assim vos trago este relógio de mergulho que não é baseado em nenhum outro relógio. O Steinhart Ocean One Titanium 500 é um relógio, como o nome indica, com uma caixa e bracelete em titânio de elevado nível de execução. A caixa (42mm de diâmetro e 13mm de espessura) tem uma resistência à água acima do normal (500m!) e o vidro que protege o mostrador é, claro, de safira. Já o bisel unidirecional, que controla o tempo de mergulho, é de material cerâmico em vez do alumínio que encontramos frequentemente (e que é mais facilmente riscável).

O movimento escolhido para ser o coração desta máquina é de origem suíça, podendo (consoante a disponibilidade no mercado) ser um ETA 2892 ou o seu clone, igualmente suíço, Sellita SW300. Em qualquer dos casos, é usada a versão de topo destes movimentos (elaboré premium), que oferece não apenas um melhor acabamento e decoração, como também maior precisão.

É uma opção que distingue a Steinhart de outros microbrands, que normalmente optam por movimentos mais baratos de origem japonesa (Seiko/SII ou Citizen/Miyota), e que permite também à marca exibir orgulhosamente "Swiss Made" no mostrador, sob a janela de data às 6h00.

Voltando ao desenho deste relógio, apesar de encontrarmos aqui elementos que nos podem lembrar outros modelos, desde a Rolex à Seiko, o conjunto é efetivamente original. Cada um de nós gostará de uns elementos face a outros mas, para mim, o que mais me agrada são dois detalhes: o formato (simples) dos ponteiros e a janela de data às 6h00 em vez das 3h00, como é mais habitual (até porque é essa a posição normal no movimento-base; tudo indica que a Steinhart modificou o movimento para poder ter a janela de data às 6h00).

De todos os membros da família Steinhart, este é o único relógio que, neste momento, me imaginaria comprar, pelas razões já indicadas. Mas faltou-me outra excelente razão: o preço. O valor de 660€ (mais portes) que a marca pede por este modelo é francamente muito bom, estando ao mesmo nível de microbrands que usam movimentos japoneses e caixas (em aço) com resistência à água muito inferiores... e é cerca de metade do que a já referida Christopher Ward cobra pelos seus divers.

Resta uma dica: se estão interessados, comprem este relógio rapidamente, porque não me parece que a Steinhart vá continuar a apostar durante muito mais tempo nos seus desenhos originais. De resto, uma versão deste modelo com complicação GMT foi descontinuada e... substituída por uma hommage a um Tudor... :-(

10 agosto, 2022

Seiko 5 GMT: dois fusos horários para todos

 


Há quem diga que os novos Seiko 5 GMT são os mais importantes Seiko a serem lançados desde há anos. Talvez seja um exagero, mas a verdade é esta: até agora, não era muito fácil (senão impossível) comprar um relógio com segundo fuso horário equipado com movimento mecânico automático, proposto por um big brand e... relativamente acessível.

O que temos aqui é, na prática, uma clara aproximação ao relógio que é a referência no mundo GMT, mas por um valor abaixo dos 500 euros (o PVP de referência oficial é de 470 euros). É um valor que poderá ser ainda assim considerado elevado, mas que deixa de ser quando tentamos encontrar algo similar a esse preço e descobrimos que, pura e simplesmente, não é possível. 

O movimento usado é o novo calibre 4R34 que acrescenta o segundo fuso horário ao 4R35, um mecanismo que a marca japonesa já tinha popularizado na sua gama Seiko 5 e que oferece ainda data, corda automática com rotor bidirecional, paragem de segundos e corda manual.

A execução inclui uma caixa de 42,5mm (embora, ao vivo, pareça mais pequena) e 13,6mm de espessura, resistência à água até 100m (uma das características dos Seiko 5 Sports), vidro mineral endurecido ("hardlex") e uma luneta bidirecional graduada em 24 horas e que, na prática, permite visualizar não apenas um mas dois fusos horários adicionais.

O desenho do mostrador não apresenta surpresas, seguindo de perto a estética definida pelo Rolex GMT Master, à qual não falta sequer a clássica lente sobre a janela de data ("cyclops"). Até o desenho da bracelete em aço segue de perto a Rolex.

Para já, existem três variantes, com mostrador preto, azul e laranja. Apesar de, teoricamente, me sentir inclinado para o modelo em preto, pelo que vi em loja, o azul é, de facto, muito bonito.

Como diz e bem o youtuber do canal Just One More Watch, este relógio é ainda mais importante porque a Seiko irá certamente comercializar este movimento para que outros possam apresentar as suas propostas. Isto é, durante os próximos meses (ou a partir de 2023, consoante o timing com que a Seiko disponibilizar o calibre 4R34 a terceiros) iremos certamente assistir ao lançamento de modelos GMT automáticos não só a preço inferior a este Seiko como com execuções potencialmente superiores (vidro de safira, maiores resistências à água, materiais mais nobres, etc.).

No entanto, e para já, o que temos são estes Seiko. Os quais já vi em Portugal em várias lojas e que pode também ser encomendado via Amazon Espanha por valores que, pelo menos por enquanto, não são muito inferiores ao preço de referência (exceto no caso da variante preta, cujo preço já ronda os 420€).

03 agosto, 2022

Jorg Gray JG6500: O relógio de Barak Obama

 


Já aqui falámos do relógio de Bill Gates e, mais recentemente, do Swatch usado pelo Papa Francisco. Hoje trago-vos um cronógrafo que o presidente dos EUA Barak Obama usou por diversas vezes, incluindo no dia da sua tomada de posse e quando recebeu o Prémio Nobel. O relógio foi-lhe oferecido pelos Serviços Secretos por altura do seu 46.º aniversário, era ele ainda senador.

Trata-se do Jorg Gray JG6500 e... Não tem nada de especial. A sério. É bonito, OK, I guess... Mas... é um cronógrafo de quartzo normalíssimo, que mais do que certamente usa um movimento Miyota 0S20 (o site da marca não especifica). A caixa, em aço, tem resistência à água até 100m (vá lá...) mas o vidro não é de safira, mas sim mineral normal.

Apesar de parecer maior na foto, este é um relógio com um tamanho modesto (41mm) que deverá servir a praticamente qualquer pessoa. O desenho do mostrador segue de perto o que esperaríamos de um relógio de aviação, mas com índices nas posições horárias e em cuja base surgem os numerais respetivos; às 12 encontramos o tradicional triângulo virado para cima.

A marca, que é de origem norte-americana (tinha que ser, até parecia mal se não fosse, neste cenário!) vende uma versão comemorativa, com o fundo em aço gravado com alusões ao seu famoso cliente, por uns razoáveis 395 dólares, a partir do seu website... que só vende para os EUA.

Na Amazon.com (isto é, enviado dos EUA para Portugal, o que significa que irá pagar taxas de alfândega), está por $325, o que não é mau, para quem quiser poder dizer "tenho o mesmo relógio do Obama".


27 julho, 2022

Longines Conquest V.H.P.: o apelo do quartzo

 

A Longines é uma marca pouco citada aqui por estes lados porque os seus relógios não são propriamente B3. O critério do blog é restringir as propostas sempre com modelos abaixo dos 1000€ (exceto nas exceções que recaem na categoria BBC, isto é, Bons, Bonitos mas Caros...) e a marca suíça não possui uma grande oferta nessa gama de preços.

Em rigor, esse é também o caso deste Longines Conquest V.H.P. (Very High Precision), cujo preço de referência é de 1080€. No entanto, é possível encontrá-lo online por valores abaixo disso, razão pela qual decidi trazê-lo aqui.

No momento em que escrevo este artigo, existem três variantes deste modelo em particular: este, com mostrador preto, e dois outros, um com mostrador azul e outro branco.

A estética deste relógio permite-lhe a sua utilização como daily beater mas também como dress watch. E só não digo que também poderia cumprir a função de relógio desportivo não fosse a sua modesta resistência à água de 50m.

A caixa, em aço, tem 41mm de diâmetro (há modelos desta gama também com um diâmetro de 43mm) e é protegida por vidro de safira, como aliás acontece em toda a restante gama Longines. A bracelete, em aço complementa o conjunto da melhor forma. O desenho do mostrador tem elementos de que habitualmente gosto muito, caso da utilização de numerais aplicados nas posições das 12 e 6 horas com índices nas restantes. A janela de data às 3h00 oferece uma complicação pouco habitual: um calendário perpétuo.

O aspeto mais interessante (mas, potencialmente, também mais polémico) deste relógio é o seu movimento de quartzo de alta precisão. Trata-se do movimento Longines L288.2, por sua vez baseado no ETA E56.111. Este é um movimento de quartzo especialmente concebido para oferecer uma precisão extremamente elevada; enquanto um movimento "normal" tem um precisão da ordem dos +/- 5 segundos por mês, este modelo oferece uma precisão com a mesma variação de +/- 5 segundos, mas por ano!

A coroa também possui diferentes modos de operação. Por exemplo, uma rápida rotação na posição de acerto, faz com que o ponteiro da horas avance uma hora de cada vez; o acionamento lento permite acertar o relógio com o ponteiro dos minutos. Em qualquer dos casos. Há um vídeo explicativo aqui.

Quase mil euros por um relógio de quartzo não é, realmente, algo fácil de engolir. Mas o prestígio da Longines conjugado com um movimento especificamente criado para oferecer a maior precisão possível (e a inclusão de um calendário perpétuo) são motivos que poderão justificar o investimento.

 

20 julho, 2022

Swatch Once Again (Ref.ª GB743): o relógio do Papa

 

Todos sabemos que é possível gastar tanto num relógio como numa (muito boa!) casa. Para isso basta termos dinheiro para tal (ou mais dinheiro do que juízo...) e fazermos questão disso. No entanto, há muita gente rica e poderosa que usa no pulso relógios acessíveis a praticamente qualquer pessoa... talvez por estarem certas do seu poder e/ou riqueza e, como tal, não precisarem de o ostentar através de um relógio.

Já anteriormente falei aqui de Bill Gates, que usa um Casio de mergulho que custa cerca de 70€. Mas há imensos exemplo, como é o caso deste Swatch, um dos preferidos do Papa Francisco, que o utiliza em público frequentemente. 

 

Trata-se do modelo "Once Again", com a referência GB743 e cujo preço de referência (como o de tantos Swatch) é de 55€ no site da marca.

Caso não o consiga encontrar numa loja Swatch, ele encontra-se na Amazon Espanha, vendido através de várias lojas, por preços que oscilam entre os 55 e os 75 euros.

Este modelo é da gama Swatch de relógios com 34 mm (relativamente pequeno, portanto) mas que oferece grande legibilidade, com um mostrador branco e numerais arábicos pretos em todas as posições horárias exceto às 3h00, onde encontramos uma janela com dia e data.

Esta tem a particularidade de ter sobre ela uma "lente" que facilita a sua visualização. Trata-se de uma implementação original do conceito de "cyclops" que normalmente só encontramos sobre janelas de data, e não de dia e data.

O relógio é, claro, de quartzo e a caixa, bracelete e "vidro" do mostrador são igualmente em matéria plástica. Até a fivela da bracelete é de plástico. Como costuma dizer um amigo meu "é 100% plástico verdadeiro"! :-)

O meu conselho? Comprem um rapidamente! Já há quem esteja a vender este mesmíssimo modelo, por quase 800€. Eu não disse que há pessoas com mais dinheiro do que juízo?