12 de maio de 2021

Elysee Vintage Chrono: o charme discreto de um cronógrafo clássico

 


A Elysee Watches é uma marca alemã que começo por respeitar pela honestidade que demonstra ao contar a sua história

Ao contrário de muitas marcas que desapareceram durante décadas e foram recentemente compradas por grupos que pouco têm a ver com a relojoaria (e que pretendem apenas capitalizar no nome para fazer uns dinheiros rapidamente) a Elysee até podia fazer render peixe e salientar que foi fundada em 1920 por um relojoeiro suíço – o que é factualmente verdadeiro!

Contudo, a marca prefere salientar a data do seu "reboot" alemão, em 1960, e que deu efetivamente origem à empresa que hoje se apresenta ao mercado.

A gama da Elysee não é nada de especial, mas tem o condão de me parecer honesta: os seus desenhos são clássicos, os movimentos são de boa qualidade, quer os suíços, quer os japoneses. E os preços são... como gostamos aqui no blog! :-)

As máquinas mais caras oferecidas pela marca são cronógrafos baseados no movimento ETA Valjoux 7750, em torno dos 1.500€, mas o modelo que vos trago é outro e, sendo igualmente um cronógrafo, é bem mais acessível. Trata-se do Vintage Chrono com a referência 80550 e cujo preço de referência, vendido a partir do site da empresa, é de 295€, com portes grátis para Portugal.

Como se pode ver pela imagem, o relógio é muito bonito, com um estilo clássico que a Elysee define como sendo "ao estilo dos anos 30". Na prática, é muito parecido com os cronógrafos da Longines, muito embora eu até me atreva a dizer que este é mais bonito!

Claro que, por este preço, e ainda por cima um cronógrafo, o movimento usado é de quartzo. No entanto, a escolha caiu sobre o TMI VK76 da Seiko, um mecha quartzassociado ao movimento de quartzo que nos dá as horas, minutos, segundos e data, a Seiko introduziu alguns elementos mecânicos que dão um feel analógico à parte do cronógrafo, nomeadamente no movimento suave do ponteiro dos segundos central, bem como ao reset instantâneo.

As proporções são as de um dress watch, com caixa em aço de 40mm de diâmetro, infelizmente quase sem resistência à água (3 ATM), mas com vidro de safira a proteger o mostrador. A implementação da janela de data às 3h00 contribui para o desenho clássico, o mesmo acontecendo com a utilização de numerais em todas as restantes posições horárias, os quais são aplicados e não pintados.

A versão 8055S, com bracelete em aço é proposta por 335€, e existe ainda a variante 80552, com o mostrador azul e caixa em aço com plaqué em ouro, por 315€.

5 de maio de 2021

Torgoen T9 Bluebird GMT: dois fusos horários pelo preço de um

 


Os relógios com complicação GMT, isto é, a de um segundo fuso horário, desde há muito que deixaram de ser uma espécie rara e dispendiosa. Sobretudo a partir do momento em que os principais fabricantes que vendem para terceiros, passaram este tipo de movimentos nas suas gamas, quer no caso de máquinas automáticas, quer nas de quartzo.

Claro que é possível implementar esta complicação sem sequer um movimento específico, bastando para tal tirar partido de funcionalidades como lunetas rotativas com uma segunda escala. Mas, neste caso concreto, refiro-me aos "verdadeiros" relógios com segundo fuso horário através de um ponteiro das horas dedicado.

O relógio que voz trago hoje é de uma micromarca americana sobre a qual não falava desde 2015, a Torgoen, mas que continua a existir e a oferecer uma gama interessante e, sobretudo, acessível: este é o T9 Bluebird GMT, com mostrador azul escuro e bracelete em pele castanha, o qual é baseado no movimento suíço Ronda 515.24H, que permite o acerto independente do segundo fuso horário.

Tal como acontece com outras criações da Torgoen, também esta é uma peça muito bem desenhada e com mostrador de elevada legibilidade. A caixa, em aço, tem 42mm de diâmetro e resistência à água até 100m – estanquidade ajudada por uma coroa de rosca. Apesar do posicionamento da janela de data às 4h30 não costumar ser do meu agrado, aqui percebe-se a opção tomada: não interromper nem os numerais nas quatro posições horárias principais, nem os índices nas restantes.

Uma escala adicional no extremo da circunferência do mostrador permite fazer a leitura do segundo fuso horário com um ponteiro que demora 24 a percorrer uma volta completa. É que, na verdade, este movimento da Ronda oferece uma espécie de dois-em-um: não só temos a função de segundo fuso horário, como a sua leitura através de uma segunda complicação, a das 24 horas.

Com venda direta a partir do website da empresa por apenas 167,95€ (portes grátis para a Europa – mas, vindo dos EUA, é possível que haja taxas de alfândega a pagar), podemos adicionar vidro de safira à encomenda para um preço total ainda assim inferior aos 200€ – 190,95€.

A gama T9 inclui diversas variantes, com diferentes cores de mostrador, caixa (incluindo revestimento PVD) e braceletes (pele, metal), mas todas com preços semelhantes.

28 de abril de 2021

Botta UNO Quartz 40mm: o dress watch perfeito?

 

A maioria dos visitantes deste blog já deve ter pelo menos ouvido falar dos relógios MeisterSinger, provavelmente os mais populares fabricantes de modelos de um só ponteiro. Contudo, e se vos disser que os verdadeiros inovadores do conceito (na sua implementação moderna, visto que os relógios de um só ponteiro precedem os de dois ponteiros a que estamos habituados!) são uma outra empresa alemã, de nome Botta Design?

Pois é, as aparências iludem e, nos negócios (da relojoaria em particular, mas também de todos em geral) chegar primeiro nem sempre é garantia de sucesso. A verdade é esta: a MeisterSinger foi fundada em 2001 e o primeiro relógio de pulso de um só ponteiro da era moderna foi lançado em 1986 pela Botta Design – o UNO.

Acresce que os MeisterSinger não são relógios B3 (custam todos mais de 1000 euros) enquanto os Botta, não sendo baratos, estão pelo menos disponíveis com versões de quartzo que os colocam ao alcance de uma audiência muito maior.

O UNO Quartz que hoje vos trago é uma peça de desenho extremamente depurado e com algumas características que o tornam no dress watch perfeito. Comecemos pela caixa, que é de titânio: com 40mm de diâmetro, há quem garanta (e eu estou do lado dessas pessoas...) que este é o tamanho perfeito para dress watch. Contudo, o tamanho não se mede apenas em termos de diâmetro e, aqui, este UNO também não deixa créditos por mãos alheias, uma vez que a caixa tem apenas 5,4mm de altura!

Outro aspeto do desenho que pode à primeira vista passar despercebido, é que o relógio não tem asas ("lugs") para segurar a bracelete, a qual é fixada na parte inferior da caixa:


O resultado é um relógio no qual o minimalismo não resulta apenas da utilização de um só ponteiro, mas do desenho em termos globais. Há detalhes que levaram esta ideia talvez um pouco longe de mais, com o é o caso da coroa, completamente lisa e que não deverá ser muito prática de usar. Contudo, este é um relógio de quartzo de um só ponteiro: tirando o momento de mudar a bateria (de 6 em 6 anos), quando é nos vamos ter de preocupar com o acerto!?

O movimento, como já disse anteriormente, é de quartzo, sendo neste caso entregue a um Ronda 1062 do qual apenas é usado o ponteiro das horas. Este é um movimento fabricado na Suíça e que, ao contrário do que muitas vezes sucede, é montado sobre uma base metálica e não de plástico, sendo também reparável. Na verdade, existem duas versões deste movimento, uma "Swiss Made" e outra "Swiss Parts", sendo a primeira de especificação mais elevada, e é essa que a Botta aqui usou.

O vidro é de safira e a resistência à água de 5 ATM. No total, tirando partido do facto de a caixa ser produzida em titânio (num total de 3 peças roscadas entre si), o relógio pesa apenas 32 gramas!

Existem versões com mostrador branco e preto, vendidas diretamente a partir do website da marca a 498€. Uma versão totalmente preta (caixa revestida a PVD) custa 548€. Não é barato, admito. Mas é um "monoponteiro" com pedigree e excelente design, pelo que acho que até se admite.

25 de abril de 2021

Seiko Recraft SNKM97

 



Este Seiko da coleção Recraft da marca japonesa não é novo, longe disso. Pelo que percebo através de pesquisas online, foi lançado no já longínquo ano de 2015. No entanto, só recentemente "tropecei" nele e, apesar de já não ser muito fácil de encontrar (nem tão barato como quando foi lançado) acho que é suficientemente interessante e original para valer uma referência aqui no blog.

A coleção Recraft da Seiko inclui várias peças inspiradas na estética relojoeira que fez escola ano final dos anos 60, início dos anos 70 do século passado, e este SNKM97 é um excelente exemplo. É um daqueles casos em que a foto não faz jus à beleza da peça -- aconselho-vos a darem uma vista de olhos a alguns vídeos no YouTube para perceberem o bonito que ele é, quer em termos do mostrador, quer no acabamento da caixa.

E é esta a ideia por detrás deste de doutros relógios da coleção: oferecer uma vibe nostálgica num relógio bem desenhado e acessível, como é a maioria dos Seikos (embora, infelizmente, com tendência para serem cada vez mais caros...). De resto, pelo que li online, este modelo em particular não é uma recriação ou reedição de qualquer outro relógio da marca, mas sim uma criação totalmente nova. O resultado é muito do meu agrado, embora admita que isso se possa dever ao facto de eu ter quase 60 anos! :-) 

As características técnicas são menos impressionantes do que o desenho. O movimento usado é o mecânico automático Seiko 7S26 que encontramos em centenas de Seiko 5 e que é bastante fiável mas básico: não oferece nem paragem de segundos (hacking) nem corda manual.

Mais interessante é a caixa (embora oferecendo apenas 5 atmosferas de resistência à água), com um formato quase quadrado, típico da época que pretende evocar, e uma conjugação de acabamento polido e escovado de excelente efeito. O vidro do mostrador é o habitual "hardlex", a versão Seiko de vidro mineral endurecido. O fundo é também de vidro, para observação do movimento. 

A caixa tem umas dimensões generosas, de 43,5mm e, pelo que tenho visto em vídeos, o relógio não parece demasiado grande no pulso.

Mas, claro, a pièce de resistance é o mostrador, com um verde que vai escurecendo do centro para a periferia. Os índices são aplicados e o mesmo acontece com o logótipo da Seiko. Há um destaque a branco nos índices das 12, 6 e 9 horas, que se conjugam com a moldura da mesma cor em torno da janela de dia/data. Na foto não se nota muito bem, mas os ponteiros das horas e minutos são esqueletizados.

Resta o preço. E aqui é que as coisas se complicam. O valor de referência da marca é de 250 dólares. Contudo, como o modelo é apetecível e foi entretanto descontinuado, os preços que encontramos online não são famosos. Na Amazon.com, com os problemas de ter de vir dos EUA, o valor base é de 200 dólares mas fica por cerca de 250€,  com taxas e envio, o que ainda assim penso que valerá a pena. 

Há uma loja na Amazon.es que está a vender este modelo por 399€, o que me parece perfeitamente especulativo.

Mais informações aqui e aqui.

14 de abril de 2021

Pulsar PM3175X1

 


 
Os cronógrafos são os relógios que têm, aqui no blog, mais leitura. Sempre que faço um artigo sobre um cronógrafo, é certo e sabido que as visitas aumentam. E, de facto, existe algo de mágico nestas máquinas com os seus poussoirs adicionais e sub-mostradores para contagem de tempos intermédios.

Nem todos são bem conseguidos, mas quando o são, o resultado é semelhante a este Pulsar de inspiração militar: equilibrados, com grande legibilidade e um resultado harmonioso.

A Pulsar, como sabemos, é uma das marcas low cost do grupo Seiko (a outra, ainda mais acessível, é a Lorus). O modelo que hoje vos trago é a referência PM3175X1, com um preço de referência em torno dos 120 dólares mas que se encontra à venda na Amazon Espanha por menos de 90 euros.

O relógio tem uma história interessante, que eu desconhecia, e que descobri no fórum DezDez. Trata-se, na verdade, de uma edição baseada numa série especial que a marca fez para a RAF, com a referência PJN299 e que se encontra esgotada desde há muito. E digo "edição" e não "reedição" porque este novo cronógrafo é diferente daquele que lhe serviu de inspiração, nomeadamente no desenho do mostrador (os numerais são maiores neste novo modelo) e dos ponteiros. Apesar de haver quem pense o contrário, eu até acho esta reedição mais bonita do que o relógio original (a verdadeira reedição do modelo da RAF será este, com a referência  PM2139X1).

As especificações são idênticas entre ambos os modelos: movimento de quartzo (claro, a este preço, seria impossível o contrário!), complicações de cronógrafo e data às 3h00, caixa em aço com 42mm de diâmetro, resistência à água até 100m e vidro mineral. Os numerais e os ponteiros têm luminescência no escuro. A bracelete, de estilo militar (mas que não é tipo NATO) é de nylon, o que reforça o caráter utilitário da peça.

O mostrador é preto, mas existe uma variante em mostrador azul escuro e preço ainda inferior, com a referência PM3177X1