30 de dezembro de 2020

O que mais gostamos (ou não) num relógio


 


Se está a ler este post e é visitante assíduo do blog, já sabe que o que gostamos por aqui é mesmo de relógios bons, bonitos e baratos! Mas, preços à parte, cada um de nós tens os seus "deal breakers", as suas irritações, as coisas que não suportamos num relógio. Ou, pelo menos, em princípio... que não só cada caso é um caso, como os nossos gostos evoluem e há exceções para todas as regras. 

Além disso, dos três "B", só o primeiro não é subjetivo: o que é bonito para si pode não ser para mim; e o que é barato para mim pode ser caro para outras pessoas. E vice-versa, claro. Coisas que eu detesto poderão ser as mesmas que você adora. E determinados tipos de relógio podem fazer imenso sentido para mim mas para poucas mais pessoas. Como costumamos dizer em Portugal, "era terrível se todos gostássemos de amarelo". Ou de cor-de-laranja, como o Drake! :-)

A regra dos entusiastas da relojoaria (ou, pelo menos, dos que não são snobes dos relógios) é "compra aquilo de que gostas e que te faz sentir bem". Se o relógio em questão cumpre esse objetivo, então é isso, e isso apenas, que importa. O resto é snobeira. Ou deixar-nos levar pelo gosto dos outros.

Dito isto... Cada um de nós tem o seu gosto próprio, mesmo que esse gosto evolua à medida que evolui também a nossa coleção de relógios, o nosso orçamento, o nosso conhecimento... Neste artigo deixo-vos alguns dos meus "deal breakers", características e/ou funcionalidades dos relógios que fazem com que não olhe pare eles duas vezes. Mas também mostro como essas regras podem ter exceções.


Eis aquilo de que não gosto, sem qualquer ordem de importância:

Numerais romanos. ODEIO numerais romanos. No entanto, sou capaz de abrir algumas exceções, sobretudo nos mostradores onde os numerais romanos surgem apenas às 12h00, como neste caso.

Caixas douradas. ODEIO caixas douradas. E, no entanto, tenho um Tissot Stylist com caixa e mostrador (!) dourados de que gosto imenso... :-)

Mostradores demasiado "busy". Como se nota pela maioria dos relógios aqui mostrados, gosto sobretudo de relógios com mostradores simples e legíveis. Isto é o contrário disso.

Relógios demasiado pequenos... ou demasiado grandes. Da minha experiência, o sweet spot para o meu braço está entre os 38mm e os 42mm de diâmetro. Menos do 38mm será um relógio, para mim, "pequeno" e mais de 42mm não funciona muito bem no meu pulso (embora já tenha experimentado relógios de 43mm de que gostei).

Contrafações. Não confundir com relógios homage.

Relógios de quartzo digitais. E, contudo, acabo de comprar um Casio A-1000D...

Relógios sem data. A menos que seja um dress watch para usar apenas à noite ou numa ocasião social, prefiro relógios com complicação de data e, até de dia/data.

Relógios de marcas "fashion". Reconheço que é um pouco snobeira. Mas o problema é que um relógio de uma marca de moda raramente é um bom negócio, porque o que estamos a pagar é a estética (por vezes duvidosa...) e a marca e não necessariamente "a máquina". Há relógios de marcas de moda, algumas até bastante conhecidas e que chegam ao ponto de vender "cronógrafos" que de cronógrafo têm apenas a estética: os botões adicionais e os sub-mostradores não possuem qualquer funcionalidade!

Relógios de plástico. Penso que poderia abrir exceção para os Swatch, muito embora não tenha nenhum (mas já ofereci imensos!). 

Caixas quadradas ou retangulares. A menos que seja este (que não é B3, infelizmente).

Outros. Coisas como relógios de estética "diver" mas que depois não oferecem mais do que 50 metros de resistência à água; mostrador com demasiadas linhas de texto e/ou indicações supérfluas; determinadas fontes usadas nos numerais; determinadas conjugações de cor entre caixa, mostrador e bracelete...

E, já agora, deixo-vos um desafio: nos comentários, digam-me o que mais gostam e/ou não gostam num relógio. Bom Ano Novo para tod@s! O próximo post será colocado na primeira quarta-feira de janeiro de 2021.

23 de dezembro de 2020

Casio Lineage LCW-M170D-1AER

 


São raros que os relógios de que aqui falo tenham mostradores digitais. Mas penso que vale a pena olharmos com algum cuidado para este Casio Lineage, com a referência LCW-M170D-1AER. Existem três modelos além deste, todos com a caixa e bracelete em aço, mas com mostradores de cores diferentes (no link acima, encontram-se todas as variantes no site da Casio).

Ao contrário do que supus quanto vi a foto do relógio pela primeira vez, sem qualquer ponto de referência, pareceu-me que seria um pouco maior do que é na realidade, e ainda bem! A caixa mede 39,6mm de diâmetro, tem resistência à água de 5 atmosferas e o mostrador é muito bem desenhado, com índices aplicados em todas as posições horárias e uma janela horizontal entre as 5 e as 7 horas para a exibição de informações através de carateres alfanuméricos. 

Digno de nota é também o facto de este ser um relógio cujo mostrador é protegido por vidro de safira, o que não é frequente nesta gama de preços. 

O movimento "ana-digi" é, claro, de quartzo, alimentado pela luz solar e com a particularidade de poder ser acertado através de sinais de radiofrequência, muito embora a receção em Portugal do transmissor mais perto de nós, na Alemanha, não seja grande coisa.

A elegância e simplicidade da parte analógica do mostrador é equilibrada pela quantidade enorme de informação a que temos acesso, e que seria virtualmente impossível de exibir através de métodos analógicos tradicionais, sob pena de ficarmos a olhar para imensidade de ponteiros, escalas e sub-mostradores!

As funcionalidades oferecidas por este relógio incluem:

Função de horas mundiais (indica a hora atual nas principais cidades e em áreas específicas do mundo), cronógrafo, temporizador, alarme (até 5 alarmes diários), indicador do nível de carga da pilha, calendário perpétuo, em que o dia da semana pode ser indicado em idiomas diferentes e ainda indicação das horas em formato 12 ou 24 horas.

O preço de referência indicado pela Casio para este modelo é de 249€ e de 299€ para as outras referências. Na Amazon Espanha, podemos comprá-lo por menos de 190€, já com portes.

16 de dezembro de 2020

Junkers Cockpit 9.14.01.02.M

 


A Junkers é uma marca de que gosto muito, graças não apenas à sua excelente relação preço-qualidade, como à sua estética, de uma maneira geral muito bem conseguida. De resto, já aqui fiz uma análise detalhada a um cronógrafo automático da marca baseado no movimento ETA 7750 (a.k.a. Valjoux) e que continua a ser um dos preferidos da minha pequeníssima coleção.

Acontece que, em 2019, a marca deixou de ser produzida pela Pointtec, empresa alemã que é também responsável pelas marcas Zeppelin e Iron Annie. A licença de utilização do nome Junkers, que tinha uma duração de 25 anos, expirou e a família Junkers não a renovou, preferindo lançar-se, ela mesmo, no negócio da relojoaria, prescindir de distribuidores na maioria dos países (incluindo Portugal) e vender através do seu website.

Acontece que, pelo que já tive oportunidade de ver "na mão", os novos Junkers não estão ao nível das anteriores produções da Pointtec. A marca continua a incluir a menção "Made in Germany" nos mostradores, mas não se sabe muito bem quem é responsável pela sua montagem.

Dito isto, estes são relógios que continuam a ser bastante baratos para o resultado final. E, além disso, a marca Junkers consegui (graças à Pointtec em geral e, em Portugal, do seu distribuidor português, a SRI, em particular) ganhar algum prestígio ao longo das últimas duas décadas.

Este preâmbulo serve de aviso apenas a quem já comprou um Junkers na "era Pointtec" e agora contempla a opção de comprar um modelo mais recente: a qualidade poderá não ser aquela de que se está à espera.

O que nos traz a este cronógrafo da série Cockpit, o qual é baseada num movimento de quartzo infelizmente pouco usado, o Miyota 6S00, uma evolução do 0S00 de que aqui já falámos por diversas vezes. Trata-se de um movimento interessante uma vez que permite criar mostradores que, à primeira vista, parecem revelar a utilização de um ETA 7750, com os seus três sub-mostradores e a janela de dia e data às 3h00.

Face ao 0S00, este novo 6S00 oferece uma nova funcionalidade interessante: o ponteiro central, que conta os segundos em modo cronógrafo, tem um movimento de 4 "beats" por segundo, o que lhe dá um feel mecânico face ao tradicional movimento de um "beat" por segundo, típico dos movimentos de quartzo.

Quanto a este modelo em particular, a referência 9.14.01.02.M possui uma caixa em aço com acabamento polido de 42mm de diâmetro, vidro de safira e resistência à água de 5 atmosferas. A bracelete, igualmente em aço, complementa o relógio de forma bastante harmoniosa.

O mostrador, de fundo preto, possui um desenho simples, com numerais nas posições horárias, à exceção das 12, 3, 6 e 9 horas, devido à forma como foram implementados os submostradores e a janela de dia/data.

O preço é de 369€, o qual me parece perfeitamente justo face ao nível de execução aparente. Existem variantes com fundo azul e prateado, bem como variantes destes três modelos com braceletes em pele, com um preço de 340 euros.  

9 de dezembro de 2020

Orient RA-AC0H01L

 

Quem segue este blog sabe que gosto bastante dos relógios fabricados pela Orient, a empresa que desde há alguns anos foi comprada e integrada no grupo Seiko, mas que tem sabido manter a sua própria identidade e canais de comercialização independentes.

Até agora, os relógios da marca de que tenho falado têm sido sobretudo dress watches e relógios de mergulho. O modelo que hoje vos trago é completamente diferente: um verdadeiro relógio de "piloto" com mostrador tipo B, ou seja, no qual a escala principal é a dos minutos/segundos e não a das horas.

Este modelo é a referência RA-AC0H01L, que faz parte da gama Sports da marca japonesa, e ostenta uma caixa em aço com 42,4mm de diâmetro, resistência à água até 100 metros e uma execução que inclui bracelete também em aço e vidro mineral. 

Trata-se de um modelo que utiliza o movimento Orient com a referência F6722, também usado noutros relógios da marca, como é o caso do popular Bambino, e que oferece a possibilidade corda manual bem como paragem de segundos (hacking) para facilitar o acerto da hora.

Como se vê pela foto, o mostrador é muito bem desenhado e legível, com fundo azul, ponteiros e numerais brancos aos quais foi aplicado material luminescente (superluminova). A única descontinuidade no desenho surge através da janela para exibição da data às 3 horas. Apesar de reconhecer que este é uma decisão que contribui para um desenho um pouco menos "limpo", a verdade é que, pelo menos para mim, a presença da data num relógio é bastante importante.

Existem três outras variantes deste relógio: uma com caixa em PVD negro e bracelete tipo NATO da mesma cor; uma variante com caixa em aço, mostrador preto e bracelete em pele da mesma cor; e uma variante -- provavelmente a mais clássica para este tipo de relógios -- com um mostrador bege e bracelete em pele castanha.

O preço de referência é de 330 dólares para o modelo da foto, de $335 para o modelo com PVD preto, e de $310 para os restantes. Na Amazon Espanha, o modelo com bracelete em aço custa menos de 180 euros!, mas existem vários outros modelos semelhantes a preços mais acessíveis, incluindo modelos da marca com movimento de quartzo.

2 de dezembro de 2020

James & Muriel TimeKeeper Silk White

 


James e... Quem?! James & Muriel é um microbrand que surgiu em 2020, fruto de um lançamento bem-sucedido através de uma campanha de crowdfunding no Kickstarter. Sim, eu sei que é só "mais um dress watch", mas acho que este é particularmente bem desenhado, integrando alguns elementos que não tenho visto em dress watches

É o caso do mostrador deste TimeKeeper, aqui na sua versão em branco, onde foram feitas algumas escolhas invulgares, das quais destaco duas, bastante evidentes por razões opostas: a primeira é a ausência de data; outra é a presença de uma tripla escala horária (horas, "hora militar" e minutos/segundos), que é algo que encontramos com frequência em field watches e não em dress watches.

O resto da execução parece-me bastante correta, nomeadamente uma caixa em aço com um diâmetro de 41mm e espessura de 10mm, vidro de safira e movimento de quartzo suíço Ronda com pequenos segundos.

Existem ainda duas variantes, com mostrador em preto (o que lhe dá um ar bastante mais desportivo) e em azul. O preço, com venda a partir do site da marca, é de 199€. 

25 de novembro de 2020

Steinhart Ocean One GMT BLACK



Percebo o apelo, mas eu jamais consideraria comprar ou usar uma contrafação. Para mim, se cobiço um Rolex (e não, não cobiço...), ou arranjo dinheiro para comprar the real thing ou então assumo que é algo que está fora do meu alcance. Compreendo, e não julgo quem decida fazê-lo, mas não é certamente algo que acho que (para mim) faça sentido.

Caso bem diferente é o (vasto) mundo dos relógios ditos "de homenagem", normalmente apelidados através da designação francesa, hommage. E é óbvio que é na presença de um desses relógios que estamos quando olhamos para o Steinhart Ocean One GMT Black, que foi buscar bem mais do que inspiração ao lendário Rolex GMT Master

A diferença, além da marca, do nível de execução e do movimento usado, está no preço, claro. Enquanto o relógio alemão custa uns razoáveis 510 euros, os valores dos Rolex, dependendo das variantes, começam nos 10.000 euros e vão por aí fora!

Mas porque é que o Steinhart não pode ser considerado uma contrafação, quando é óbvio que tentou emular todos os detalhes do clássico Rolex? Porque é claro para toda a gente que se trata de um Steinhart! Uma contrafação vai mais além e irá copiar também tudo o resto, incluindo a marca, logótipos, etc. E, pelo contrário, quem produz uma contrafação não está sequer muito preocupado com a qualidade do produto final, enquanto a Steinhart é uma marca que se orgulha das suas criações e utiliza movimentos automáticos suíços genuínos.

Claro que, logo aqui temos uma diferença fundamental: enquanto as complicações oferecidas são as mesmas (segundo fuso horário e data), os movimentos são bastante diferentes, com o calibre in-house da Rolex a oferecer reserva de marcha de 70 horas (50 horas no ETA 2893-2 usado pela Steinhart); além disso, este Rolex (e, na verdade, todos os Rolex) tem certificação de cronómetro, pelo que a sua precisão será sempre superior à do Steinhart.

Mas há também diferenças na maneira com as complicações foram implementadas, com a função GMT no Rolex a permitir o acerto mais fácil e preciso do segundo fuso horário, e de forma completamente independente da hora principal.

E no entanto... Enquanto eu jamais conseguiria justificar gastar uma dezena de milhar de euros num relógio, consigo imaginar-me perfeitamente a adquirir o Steinhart pelos 510€ pedidos pela marca.
A Steinhart tem ainda algumas vantagens face à Rolex, nomeadamente o facto de oferecer este relógio com caixas de 39mm, 42mm (no caso deste modelo em particular) e 44mm (esta última, de proporções não muito conseguidas, quanto a mim); o Rolex está apenas disponível com caixa de 40mm.

Note-se também que, quanto à caixa, a proporção não é tudo. A Rolex usa uma liga especial de aço, designada "oystersteel" (e que dá o nome ao relógio), também designado por aço 904L, o qual é muito mais resistente aos riscos e à corrosão do que o aço 316L usado pela Steinhart e pela maioria da indústria relojoeira.

Já uma vantagem do relógio alemão é que a sua caixa é resistente à água até 300 metros, enquanto a do Rolex, que assume dessa forma a vertente mais cosmopolita neste modelo em particular, se fica pelos 100 metros. Claro que não esperamos que ninguém leve qualquer um destes relógios para fazer mergulho mas, no caso do Steinhart, ficamos pelo menos a saber que podemos

Por falar em mergulho, chamo a atenção para uma funcionalidade interessante deste relógio, e que segue a implementação pioneira da Rolex: o bisel (luneta) que, num relógio de mergulho vem normalmente graduado em minutos, para controlar o tempo de mergulho, surge aqui numa graduação de 24 horas. Isto deve-se à sua funcionalidade GMT, na qual o segundo ponteiro das horas (o que tem uma seta na ponta) dá uma volta completa ao mostrador ao longo de um dia e aponta, assim, para a escala exterior indicada no bisel. Note-se que no caso da Rolex, este bisel pode ser rodado nos dois sentidos mas, no Steinhart, é unidirecional.

A execução da Steinhart inclui vidro de safira com duplo revestimento antirreflexo no interior, a tradicional lente sobre a janela de data (aqui, pelo que tenho lido, muito menos potente na ampliação do que no "ciclope" da Rolex), e bracelete em aço com mola de libertação rápida. O preço, como já indiquei acima, é de 510€, diretamente no site da empresa, acrescido de portes que, para Portugal, são de 15 euros.

22 de novembro de 2020

RelógiosPT é agora RelógiosB3

 

RelógiosPT.eu é agora RelógiosB3! O URL da página do blog mudou também para www.relogiosb3.pt, muita embora o endereço relogiospt.eu se mantenha (mas redireciona para o novo). O logótipo do site ainda diz "RelógiosPT" mas será mudado em breve.

Há vários motivos para esta alteração. A primeira é a confusão recorrente com o site www.relogios.pt, que é um site de comércio eletrónico com o qual esta página e este blog nada têm a ver.

A segunda é que, no momento em que registei a página, ainda não tinha criado o conceito "B3", o qual entretanto passou a ser uma espécie de "imagem de marca" do site.

De qualquer forma, a única coisa que mudou foi mesmo o nome, tudo o resto se mantém.

A página deste blog no Facebook mudou também de nome.

18 de novembro de 2020

Sternglas Ivo

 

A marca alemã Sternglas anda a bombardear-me com anúncios diariamente, nas redes sociais. Presumo que a vocês também: o algoritmo do Facebook "sabe" que gostamos de relógios e identifica-nos como alvos preferenciais desta publicidade.

Contudo, ao contrário de outras marcas que devem o seu sucesso às redes sociais, a Sternglass é, pelo menos, original e parece ser liderada por alguém que sabe o que faz e, melhor ainda, tem paixão pelo que faz.

Não há aqui nada de fundamentalmente novo, claro. Mas o resultado agrada-me. Muito. O conceito é simples: relógios elegantes de "estética escandinava", "made in Gemany", com movimentos de quartzo suíços (Ronda) e automáticos japoneses (Citizen/Miyota). O resto? Caixas em aço, vidros de safira, braceletes em pele... e preço (muito) razoável.

O modelo que vos trago hoje, e que inaugura o que deverá ser uma série de referências à marca, é o Ivo. Há duas variantes. Esta, com mostrador branco e sub-mostrador de pequenos segundos em verde; e uma com o mostrador em verde (muito) escuro, mas que se encontrava esgotada à data em que escrevo estas linhas (início de Novembro).

Entre os dois até prefiro o primeiro mas, como está esgotado, resolvi trazer-vos o Ivo com mostrador branco. Como podem ver, o mostrador é tipicamente "escandinavo", muito legível e com índices discretos nas posições horárias. As complicações de "Big Date" às 13h00, com a dupla janela, surge perfeitamente equilibrada com o sub-mostrador, preto, de pequenos segundos às 6h00, cortesia da funcionalidade oferecida pelo movimento de quartzo Ronda 6004.B.

A caixa, em aço, tem 40mm de diâmetro e apenas 7mm de espessura. O resto da execução inclui vidro de safira (presente em todos os modelos e variantes da marca), resistência à água de 5 atmosferas e bracelete preta em pele genuína. A partir do site da Sternglas, o relógio tem um preço de 269€ + portes. Estão também disponíveis diferentes braceletes

[update em 20/11/2020] O Ivo com mostrador escuro ("Smokey Green") está novamente em stock e quer este quer o modelo branco têm agora um PVP reduzido, de 239€!

11 de novembro de 2020

O relógio de Bill Gates custa $50!

 


Não tenho jeito para "click bait", por isso começo já pelo fim: sim, é verdade -- o relógio preferido do segundo homem mais rico do mundo é um Casio MDV106-1AV que custa menos de 50 dólares. Claro que Bill Gates podia comprar basicamente qualquer relógio que quisesse. Mas ele é um homem pragmático e, se bem que tenha gostos caros, por exemplo em automóveis, no que diz respeito a relógios qualquer um de nós podia usar o mesmo que ele.

E sim, isto significa que devemos usar o que funciona para nós e que o preço do relógio que temos no pulso não significa que sejamos ricos ou pobres. Pode, no entanto, revelar se temos ou não bom gosto, claro! :-)

O caso de Gates é talvez extremo, mas a realidade é que, a menos que o bilionário em questão seja um fã de relojoaria, é relativamente comum encontrarmos pessoas famosas e/ou muito ricas que usam no dia-a-dia relógios que estão ao alcance de meros mortais.

Neste vídeo, que foi onde encontrei a referência ao Casio do fundador da Microsoft, descobrimos também os relógios usados pelo homem mais rico do mundo (Jeff Bezos, o fundador da Amazon), do CEO da Tesla, Elon Musk, e do fundador da Oracle, Larry Elison.

  

5 de novembro de 2020

Pulsar PT3AxxX1 Chronograph


 

Em meados de Agosto passado recebi um press-release sobre estes relógios, mas fiquei com uma dúvida que demorei algum tempo a esclarecer, o que levou a que só agora tivesse a oportunidade de escrever uma referência.

E a minha dúvida era esta: o preço indicado para estes Pulsar é de 99€. Mas há duas variantes com bracelete em aço e outras duas com bracelete em pele. Não serão as primeiras um pouco mais caras? E a resposta é: não, não são. Qualquer uma das quatro referências deste cronógrafo de quartzo têm efetivamente o mesmo preço.

Os mais atentos saberão que a Pulsar é uma das marcas low cost do grupo Seiko – um pouco menos low cost do que a Lorus, que também faz parte do grupo japonês.

Já tive alguns Pulsar na mão (embora não estes em concreto) e posso confirmar que parecem um pouco mais caros do que são... mas não muito mais! É um excelente exemplo de you got what you paid for. No entanto, não creio que isso seja uma coisa má.

Até porque ao contrário de marcas como a Timex, em que é frequente a utilização de materiais menos nobres (resina sintética e latão em vez de aço e mostradores em "vidro" acrílico...), o que temos neste caso é uma caixa em aço com um diâmetro de 43mm, resistência à água até 10 atmosferas e vidro mineral para proteger o mostrador.

O desenho é bastante bonito e se algumas variantes são bastante desportivas, outras até permitem olhar para este relógio como um dress watch. De todo o desenho, só não só muito apreciador da janela de data às 4h30, mas aqui até surge bem implementada.

____________________________

[Edit] Este post foi originalmente escrito, erradamente, como se o relógio fosse um Lorus e não um Pulsar. Foi reeditado e corrigido em 5/11/2020.

28 de outubro de 2020

Boldr Venture Carbon Black

 

A Boldr é um jovem microbrand que cria relógios de estilo militar com desenhos, características, funcionalidades e materiais extremamente interessantes a um preço ainda mais interessante. As coleções da marca estão distribuídas de acordo com os diferentes ramos das Forças Armadas, designadamente Air, Field e Sea. O modelo que vos trago hoje é um field watch com a designação Venture Carbon Black.

Embora possamos encontrar este tipo de relógios por aí "a pontapé", é a conjugação do desenho, materiais empregues, movimento e preço que tornam este Boldr numa proposta muito interessante.

Comecemos pela caixa (de 38mm de diâmetro). Ao contrário do que possam pensar, não, esta não é construída em aço mas sim em titânio, material mais resistente do que o aço mas muito mais leve. Além disso, é também mais caro do que o aço... 

Mas a Boldr não se ficou pela escolha do material da caixa: também a produziu de forma a oferecer uma resistência à água até 200 metros, o que torna as coisas bem mais interessantes porque, como já tive a oportunidade de referir aqui no blog por diversas vezes, só com uma resistência à água de 200 metros ou superior é efetivamente seguro levar o relógio para o mar ou para a piscina.

Ora criar um caixa em titânio e torná-la resistente a uma pressão de 20 atmosferas, não é barato. Como também não é particularmente barato usar o movimento mecânico automático SII (Seiko) NH35A, aqui implementado sem a sua tradicional complicação de data, desta forma resultando num mostrador muito simples, legível e "limpo". Outra escolha de materiais que se saúda é a do vidro de safira com tratamento antirreflexo para proteção do mostrador.

Como é tradicional em relógios deste tipo, temos aqui uma dupla escala horária com "hora militar" concêntrica aos super-legíveis numerais em todas as posições horárias. E, como podem ver no GIF animado, também muito legível à noite, com a aplicação de super-luminova nos ponteiros (incluindo a ponta do ponteiro dos segundos) e numerais.

O resultado é completado pela coroa (de rosca) de proporções generosas posicionada às 4 horas, para oferecer melhor conforto, e por uma bracelete tipo NATO.

O melhor elogio que posso fazer a este relógio, cujo preço é de apenas 299€ (compra a partir do site da empresa, com portes incluídos para todo o mundo) é que irei certamente comprá-lo em breve.

21 de outubro de 2020

Frederique Constant Classics Gents Quartz FC-225GT5B6

 


Aqui há uns anos havia um modelo da marca sul-coreana Hyundai que era "acusado" de ser parecido com um Ferrari 456. Ao que eu sempre me interroguei se ter um automóvel de 20.000€ inspirado na estética de um modelo de uma marca lendária que custa 10 vezes mais, seria assim uma coisa tão má!

Vem isto a propósito de muitos comentários que leio e vejo (no Youtube) sobre o facto de a marca suíça Frederique Constant ser "a Patek Philippe dos pobres". Bem, tendo em consideração que os Patek Philippe são tão caros que a marca teve de criar uma estratégia de marketing (genial, por sinal) que sugere que são um investimento que será para ficar na família, através das próximas gerações; e que os Frederique Constant também não são assim tão baratos, parece-se que é um tipo de acusação que só fica bem à Frederique Constant, em nada servindo para afetar a sua imagem de marca.

No entanto, e não sendo eu um perito em relojoaria, mas apenas um entusiasta, parece-me claro que esta é uma marca bastante subestimada (o que é excelente para quem anda à procura de relógios B3!), talvez devido ao facto de se tratar de uma empresa bastante jovem, fundada em 1988 e cuja primeira coleção de relógios foi lançada em 1992.

Mas a verdade é que a Frederique Constant nunca teve como objetivo simplesmente ser "mais uma marca", tirando partido do prestígio da sua produção na Suíça. Pelo contrário, muitos dos seus relógios possuem movimentos produzidos "in house", que é sempre um sinal de prestígio e diferenciação no competitivo mundo da relojoaria e que a colocam no campo prestigioso das "manufacturas".

Todo este interlúdio serve para justificar trazer-vos hoje um relógio desta marca, o modelo Classics Gents Quartz com a referência FC-225GT5B6. Vamos começar pelo fim: o preço de referência é de 670€, mas pode ser adquirido na Amazon Espanha por menos de 500€.

As especificações são relativamente modestas, dado ser usado aqui um movimento de quartzo, muito embora tenhamos direito às complicações clássicas do dia e data às 3 horas, tão do meu agrado. A caixa, em aço, tem 40mm de diâmetro; a bracelete é em pele e, claro, o vidro é de safira, neste caso de formato ligeiramente convexo. Existe uma variante com mostrador branco que é também muito bonita.  

O mostrador é efetivamente muito bem conseguido e, quanto a mim, é o que distingue este relógio de outros muito mais baratos, com a sua decoração "Clou de Paris" e índices metálicos aplicados em todas as posições horárias.

Cerca de 500 euros por um relógio de quartzo? Sim. Mas não é um relógio de quartzo qualquer: é um Frederique Constant! ;-) 

14 de outubro de 2020

Tissot Couturier Automatic Small Second T0354283605100

 


Já há algum tempo que não trazia um Tissot aqui ao blog. Apresento-vos o modelo Couturier Automatic com a referência T0354283605100. Este é um dress watch original, com um mostrador em que a exibição das horas/minutos, dos segundos e da data surgem descentrados mas, ainda assim, resultando num layout elegante. 

A caixa, em aço com plaqué em ouro, tem 39mm de diâmetro (na foto, sem qualquer elemento de referência, parece maior), fundo em vidro para observação do movimento e resistência à água até 100 metros. Este relógio, como todos os Tissot, tem mostrador protegido por vidro de safira.  

O movimento usado é o ETA 2825-2, mecânico automático, modificado de forma a que a janela da data seja exibida na posição pouco habitual das 9 horas.

Existem variantes deste modelo com caixa em aço e mostrador branco e também preto, ambos muito bonitos também. Contudo, e ao contrário do que é meu hábito, penso que esta versão com caixa dourada é a que acaba por resultar melhor tendo em consideração o facto de estarmos perante um dress watch.

Não tenho o preço de referência para este relógio, que tanto surge na Internet com valores em torno dos 300 dólares, como pode subir até quase aos mil! Na Amazon UK (mas sem possibilidade de envio para Portugal), está à venda por 340 libras

7 de outubro de 2020

Seiko Neo Classic Perpetual Chronograph SPC133

 




Na maioria dos casos, gosto de vos trazer aqui relógios que não só me agradam, como eu próprio me imaginaria a comprar. No entanto, desta vez, resolvi abrir uma exceção, visto que acho que este poderá ser um relógio interessante para muitos leitores do blog, mesmo que não seja algo que me interessasse adquirir.

Não porque não goste particularmente do relógio (embora, sinceramente, haja pormenores que não me agradam), mas porque é demasiado grande para o meu pulso: 45mm sem contar com a coroa.

Vamos ao que interessa. Este Seiko é um cronógrafo interessante uma vez que conjuga a complicação de cronógrafo com a de alarme, segundo fuso horário e, ainda, um calendário perpétuo (isto é, indica corretamente a data nos meses com 30 e 31 dias, bem como a de fevereiro, mesmo em anos bissextos) -- e fá-lo de forma que considero relativamente elegante, mesmo tendo em atenção as já referidas dimensões avantajadas da caixa. Esta tem uma resistência à água de 100 metros e o mostrador está protegido por vidro mineral endurecido (hardlex).

Todas estas complicações são indicadas de forma analógica, através de diferentes ponteiros e sub-mostradores, e há ainda uma escala taquimétrica no interior do mostrador. O facto de isto ser concretizado com um resultado que, apesar de tudo, não é demasiado busy, constitui por si só um enorme feito de design.

O que menos me agrada no desenho do relógio, mas que provavelmente será o que agradará a outros entusiastas, é o tipo de fonte escolhida para os numerais nas posições horárias, que conferem ao relógio um estilo que "não é carne, nem é peixe", entre o clássico, o moderno, o desportivo e o dressy sem ser nenhuma dessas coisas. Mas provavelmente sou só eu...
 
Até porque, no final, não nos podemos queixar: o que temos é um relógio de quartzo repleto de funcionalidades, produzido por uma empresa com fortes tradições relojoeiras e cujo preço é inferior a 180€, já com portes para Portugal! 

30 de setembro de 2020

Citizen Calandrier BU2023-04E

 


Depois de um cronógrafo mecânico de fabrico chinês, trago-vos hoje outro relógio asiático mas que não podia ser conceptualmente mais diferente: um moderno dress watch multifunções da Citizen com movimento de quartzo alimentado pela luz.

Efetivamente, os três sub-mostradores podem sugerir estarmos na presença de um cronógrafo, mas não. Este é um relógio com calendário multi-funções (daí o nome "calendrier") com uma elegante implementação da leitura analógica no caso dos sub-mostradores às 6 e às 9 horas: os pequenos ponteiros têm duas pontas de comprimento diferente, os quais apontam para os valores dentro de duas escalas concêntricas que ocupam apenas metade das respetivas circunferências.

No caso do sub-mostrador às 6 horas, a indicação é de dia/noite/24 horas; na posição das 9 horas, temos a indicação do dia da semana. O dia do mês fica a cargo do sub-mostrador às 3 horas. Os ponteiros têm tratamento luminescente para visibilidade no escuro.

Além disso, este é também um relógio que indica as "horas do mundo" de forma elegante, através de uma escala interior concêntrica à das horas, com a indicação (em abreviatura de três letras) das cidades  correspondentes aos principais fusos horários, cuja rotação é controlada através da coroa às 4 horas.

Apesar de eu normalmente não gostar de caixas douradas, esta parece-me bastante bonita e, em conjugação com a bracelete de pele castanha, torna o relógio bastante dressy e elegante.

A caixa, com resistência à água até 100 metros, tem um diâmetro de 44mm mas, infelizmente, não temos direito a vidro de safira, apenas a vidro mineral. O preço de referência (site da marca no Reino Unido) é de 269 libras.

23 de setembro de 2020

Seagull 1963

 



Há uma regra não-escrita no mundo dos relógios de preço acessível: se quisermos um cronógrafo que não custe mais de mil euros, terá de ser de quartzo. Claro que há exceções, mas são poucas e o seu preço, podendo ficar abaixo dos 1000€, nunca ficará muito abaixo.

Por isso, o relógio que vos trago hoje ao blog é uma raridade a vários níveis, mas certamente (e sobretudo) em termos da sua relação preço/funcionalidade. Porque este cronógrafo é efetivamente mecânico (mas não automático) e não custa mil euros. Nem 800. Nem 500. Nem 300. E sim, até tem vidro de safira. E tudo por menos de 250€!

Não me vou alargar sobre a história deste relógio, que pode ser consultada aqui, Mas vale a pena lembrar que este modelo é uma reedição do século XXI de um cronógrafo chinês originalmente criado em 1963, apenas um ano depois de eu ter nascido!, e destinado à Força Aérea chinesa.

Existem várias variantes deste modelo, mas esta, com mostrador bege e bracelete tipo NATO castanha, é o que mais me agrada. Cada modelo tem também variantes com vidro acrílico ou vidro em safira, mas este é o que tem vidro de safira que, de resto, não encarece o relógio em mais do que 10 ou 20€...

O movimento usado é tudo menos tosco. Bem pelo contrário, já que se trata de um mecanismo cronógrafo com roda de colunas, o que oferece uma suavidade de funcionamento superior a máquinas como o lendário ETA 7750 que é tanto do meu agrado. Encontram uma explicação detalhada sobre este movimento neste vídeo.

Este movimento é o Seagull ST19 que funciona a 3 Hz (21.600 bph) e recebe corda manual com reserva de marcha de cerca de 42 horas. Mais impressionante é que este movimento, de relativa complexidade, consegue ser usado numa caixa de proporções bastante modestas, com um diâmetro de 38 mm, o que o torna perfeitamente usável para muitos entusiastas que não gostam de relógios maiores.

O resto, está á vista, sobretudo o desenho espartano mas de elevada legibilidade com um aroma retro absolutamente delicioso. A versão com vidro de safira pode ser adquirida na Amazon Espanha por apenas 239€ + 2,99€ de portes de envio.



2 de setembro de 2020

Casio MTS-100D-2AVEF

 


Antes de começar, uma pergunta: tendo como base apenas a foto deste post (e ignorando o facto de se tratar de um Casio...), quanto é que acham que este relógio custa? Um relógio cujo mostrador tem índices aplicados (e não apenas pintados) com tratamento luminescente, caixa e bracelete em aço e... vidro de safira?

Uns 150€, 200€? Mais? E se vos disser que este relógio tem um PVP de referência de 79€ e pode ser comprado na Amazon Espanha (portes incluídos) por 64€? Ah, pois é...!

Apresento-vos o Casio MTS-100D-2AVEF, provavelmente o relógio B3 mais B3 disponível no mercado. Não só é bonito, com um desenho entre o desportivo e o dress watch, como oferece funcionalidades e características impensáveis a este preço em qualquer outra marca.

A gama MTS-100x consiste em sete referências: três com bracelete em aço (este, em azul, e com mostrador em preto e em branco/prateado); outros três com caixas e mostradores iguais mas com bracelete em pele; e um, de que não gosto particularmente, com caixa em plaqué dourado e numerais em vez de índices e que só está disponível com bracelete em pele. 

Como disse acima, o preço de referência para todos eles é de 79€, o que é estranho, tendo em consideração que os modelos com bracelete em aço custam sempre um bocadinho mais do que os que têm bracelete em pele. Só o modelo com caixa dourada é que tem um preço mais elevado, mas mesmo assim muito baixo, de 89€.

Além do que já referi, este modelo vem equipado com um movimento de quartzo com data às 3 horas e cuja bateria tem uma duração da ordem dos 10 anos – algo que vem referido no próprio mostrador e que eu preferia que não viesse, mas enfim... Outra característica que bem podia vir apenas indicada na tampa traseira e não no mostrador é a resistência à água de 50 metros.

Mas claro que a piéce de resistence, para o preço, é o vidro de safira que significa, na prática, um relógio cujo mostrador irá manter-se livre de riscos visíveis durante toda a vida do relógio -- a menos, claro, que use um diamante para o riscar propositadamente!

Por este preço, estamos na presença, certamente, de um vidro mineral com revestimento de safira, mas o resultado prático será o mesmo: resistência aos riscos praticamente garantida.

Há uma análise aprofundada a este relógio aqui.

Uma palavra final para o preço. Como disse, o valor de referência no site português da Casio é de 79€, mas encontrei-o por 64€ na Amazon Espanha. O link é para a variante em azul, mas a mesma página permite selecionar as outras variantes.

26 de agosto de 2020

Cauny Legacy Black Gold Chronograph

 


Sobre a história da Cauny, o melhor será encaminhar os meus leitores para a página 18 da edição digital gratuita de junho de 2020 do Anuário Relógios & Canetas. Mas a versão curta é esta: a marca tem raízes suíças (e espanholas!), remonta a 1927 e foi especialmente popular em Portugal durante os anos 50 e 60. Depois de falir nos 70, em virtude da "crise do quartzo", a marca foi agora "ressuscitada" por uma empresa portuguesa.

Depois de meses de teasers, o resultado está finalmente à vista (e pronto para ser adquirido) no site da empresa. E, na verdade, parece-me interessante, com modelos claramente inspirados na estética que tornou a marca famosa há décadas, agora numa reinterpretação moderna e equipada -- sobretudo, mas não totalmente -- com os movimentos de quartzo produzidos no Japão que estiveram na origem da sua falência original. Ah, a ironia...  

Para falar da marca pela primeira vez, escolhi o modelo Black Gold Chronograph da gama Legacy. Não sou fã de caixas douradas, mas achei que esta nem era assim tão má, além de representar melhor a estética tão típica dos anos 60.

A Cauny é parca em informações técnicas sobre este relógio, mas pelo artigo do Anuário Relógios & Canetas, este cronógrafo de quartzo terá origem num movimento japonês. Esperemos que assim seja. De resto, a execução é bastante elegante e limpa, algo para o qual contribui o facto de ter sido decidido usar um movimento sem data (ou no qual a janela de data não foi "aberta" no mostrador).

A caixa, em aço com plaqué em ouro, mede 41mm de diâmetro e é protegida com vidro mineral revestido a safira, um detalhe que apreciamos e que contribuirá certamente para evitar discos no mostrador.

O preço? Uns razoáveis 185€, com compra a partir do site. Existe uma variante com mostrador em branco e caixa com acabamento convencional, por menos 10 euros.

20 de agosto de 2020

AVI-8 Hawker Hurricane Classic Chronograph AV-4011-01

 


Já aqui falei da AVI-8 há uns tempos, num post onde expliquei a sua origem e filosofia, pelo que não me irei repetir. Mas vale a pena voltar a olhar para a coleção da marca, que entretanto aumentou de forma significativa.

A marca continua a criar modelos inspirados nas glórias voadoras da Segunda Guerra Mundial e este belo cronógrafo não é exceção, tendo sido batizado com o nome do caça Hawker Hurricane, juntamente com o Spitfire (e o radar!), um dos protagonistas da batalha que evitou a derrota prematura das forças britânicas.

O movimento, não especificado, para além de sabermos que é "Made in Japan" (o que, na prática, significa que é provavelmente um Miyota/Citizen ou um SII/Seiko) é um cronógrafo de três sub-mostradores com data às 3 horas.

Mas é o desenho do mostrador o que mais nos salta à vista, claro. Conheço muitos entusiastas que odeiam ver os numerais às 6 e às 12 horas semi-escondidos pelos sub-mostradores (como, de resto, acontece no meu Junkers com o movimento ETA Valjoux 7750), mas é uma solução de que eu, por acaso, até gosto bastante. O único numeral que foi completamente removido, substituído por um índice de formato triangular, foi o das 3 horas, onde encontramos a janela da data.

O resto do desenho respeita as convenções habituais dos relógios tipo "aviador", com numerais em fonte de grande visibilidade e ponteiros com tratamento luminescente. Uma escala taquimétrica interior completa as principais características do mostrador. 

A caixa em aço tem 42mm de diâmetro, resistência à água de 5 atmosferas e é protegida por vido mineral. Existem variantes com diferentes cores de mostrador, caixas e braceletes, todas em pele. O PVP desta modelo variante é de £165 mas, no momento em que escrevo, está em promoção por apenas £132. A aquisição é feita diretamente no site da marca e os portes são gratuitos para qualquer país.

22 de julho de 2020

Swatch Big Bold BBNEON


Os Swatch sempre foram relógios com um formato que, à luz das recentes tendências do design na relojoaria (ou, melhor ainda, da moda), se pode considerar relativamente pequeno. Posso estar errado, mas penso que os modelos com caixa de maiores dimensões até agora foram os Sistem51, de que fiz uma análise pouco tempo depois de terem saído. E, neste caso, "grande" significou 42mm de diâmetro.

Com a coleção Big Bold, a marca suíça entra definitivamente nos formatos XL, com relógios cujas caixas têm uns generosos 47mm de diâmetro. 

O modelo específico que vos trago hoje não é uma novidade (pertence à coleção do ano passado), mas tem duas vantagens: é, para o meu gosto, mais bonito do que a coleção de 2020; e é mais barato (90€ contra 100€). Só vantagens, portanto!

Em termos de construção, o que a Swatch nos propõe aqui, e outra coisa não seria de esperar dado o preço, são relógios de quartzo com caixa em plástico, sem qualquer resistência à água, e bracelete em silicone. Há, no entanto, dois detalhes de construção que vale a pena salientar. O primeiro refere-se ao formato do mostrador, no qual o "vidro" (é plástico também...) não surge saliente e, como tal mais sujeito aos riscos, mas sim completamente plano face à caixa:


O outro detalhe decorre do facto de este ser um relógio de tamanho XL: a coroa foi movida para a posição das duas horas, de forma a tornar a sua utilização mais confortável, evitando "cravar" a coroa no pulso.

Como disse, esta foi a variante mais gira que vi no site da marca, mas vale a pena passarem por lá e descobrirem outras cores e designs, incluindo os da coleção deste ano, que até podem ser mais do vosso agrado. Os relógios podem ser adquiridos diretamente a partir do site, que oferece os portes para qualquer morada em Portugal (continente ou ilhas).

15 de julho de 2020

Armogan E.N.B Emerald Green S52



Há cerca de três anos falei aqui no relógio Armogan Le Mans. Mas apercebi-me agora de que a jovem marca, muito provavelmente por razões de copyright associado ao termo "Le Mans", rebatizou esta sua gama com o nome de E.N.B., iniciais de "Equipe Nationale Belge", o nome da equipa de Fórmula 1 belga nos anos 50.

Vale a pena voltar a falar neste relógio porque a gama cresceu e inclui atualmente mais de uma dezena de variantes (algumas delas já esgotadas, como é o caso de todas as que têm o mostrador azul escuro) e, além disso, é um testamento à resiliência da marca belga-luxemburguesa, criada por dois amigos em 2014. É que não é fácil criar um "micro brand" num segmento low cost e mantê-lo à tona da água num mercado tão difícil como é o da relojoaria.

Sobre o relógio em si, os E.N.B. são exatamente iguais aos Le Mans de que falei há anos, com a vantagem de termos agora imensas variantes, com diferentes cores de mostrador e tipos de bracelete (mais detalhes sobre o relógio em si no meu post original).

O resultado final é o que conta e a imagem acima não deixa dúvidas de que estamos perante um belíssimo desenho executado de forma primorosa. Além disso, deixei para o final a melhor notícia: estes modelos são agora ainda mais baratos do que a versão original, com um PVP de 199€ descontado, à data em que escrevo estas linhas, para 169,95€ -- algo que pode estar relacionado com o facto de que a marca já não tem de pagar à Amazon pela loja online, uma vez que passou a vender diretamente a partir do seu website (portes grátis para todo o mundo).

1 de julho de 2020

Junghans FORM C Chronoscope


Apercebi-me agora de que nunca falei da Junghans neste blog. E não consigo encontrar uma boa razão... Especialmente quando a marca alemã tem no seu catálogo modelos como este belíssimo cronógrafo Form C (ainda que a marca goste de chamar "Chronoscope" aos seus cronógrafos.)

É verdade que é "só" um modelo de quartzo; e que não é assim tão barato como isso (para um relógio de quartzo). Mas acho que ainda o posso considerar B3!

A sua principal característica é o que podem ver na foto: o desenho do mostrador é simplesmente fantástico, com uma estética minimalista e funcional de que gosto muito. Existem várias variantes deste modelo, com braceletes em pele e mostrador em branco e com um desenho ligeiramente diferente. Mas este, com mostrador preto e bracelete em malha milanesa, é o que me leva a pensar que estou na presença do meu próximo relógio.

A caixa, em aço, tem uns consensuais 40mm e resistência à água de apenas 5 atmosferas, mas oferece-nos o luxo do vidro de safira a proteger o mostrador.

O movimento usado, ao qual a Junghans chama J645.85, é, na verdade, um Ronda 3520.D, muito popular em cronógrafos de quartzo de dezenas de marcas. A principal característica deste movimento é o facto de usar apenas dois sub-mostradores mas, naquele que encontramos às 12h00, encontrarmos dois ponteiros: um para contagem de segundos (pequenos segundos) e outro para o contador de 12 horas.

Isto possibilita oferecer as mesmas funcionalidades de um cronógrafo convencional de 3 sub-mostradores mas apenas com dois, melhorando assim a estética geral do mostrador.

Quanto ao preço. Não estou certo de qual é o preço "oficial" deste modelo, mas encontro-o com frequência como sendo da ordem dos 595 dólares. Encontrei-o na Amazon Espanha por 499 euros

17 de junho de 2020

Vostok Europe VEareONE



A Vostok Europe lançou um desafio nas redes sociais: criar um modelo (mais ou menos) de raiz, de acordo com as preferências da maioria dos fãs. Assim, ao longo das duas primeiras semanas de junho, a marca lituana foi criando sondagens para perceber qual o modelo a criar: a única coisa definida à partida é que seria um relógio baseado na caixa do modelo Anchar. A partir daí, tudo podia ser personalizado: o material da caixa, a cor do mostrador, o tipo de movimento...

O resultado chama-se VEareONE e será produzido numa pequena série que estará disponível em novembro de 2020.

As características do modelo são as seguintes:

- Caixa em titânio de 48,7 mm de diâmetro x 16 mm espessura
- Resistência à água até 20 atmosferas
- Mostrador Anchar com iluminação através de 16 tubos de trítio no mostrador e ponteiros
- Vidro mineral endurecido (tipo K1)
- Movimento de quartzo multifunções Seiko YM8J com horas, minutos, segundos, dias da semana, dias do mês, fuso horário, cronógrafo e alarme
- Braceletes em pele genuína e em silicone, + ferramenta multifunções para a sua substituição

O conjunto será vendido numa "dry box" de policarbonato, resistente à água e a impactos (na imagem). 

O preço de 799€ não é muito B3, até pela presença no movimento de quartzo, mas justifica-se dada a originalidade do projeto e qualidade a que a Vostok Europe nos habituou. Mais informações na página do Facebook do distribuidor português em fb.com/www.sri.pt

10 de junho de 2020

Zeppelin Atlantic 8442-5


Já não vos trazia um novo Zeppelin desde 2018. Este é a referência 8442-5 da nova coleção Atlantic da marca alemã representada pela Portugal pela SRI.

A referência 8442 tem três variantes: esta, 8842-5, com mostrador beige que é totalmente luminescente no escuro; a 8842-2, com mostrador preto; e a 8842-3, com mostrador azul.

Todos eles utilizam o movimento de quartzo suíço Ronda 505.24H com data às 3 horas e um segundo fuso horário que pode ser definido livremente, através do quarto ponteiro (com uma seta na ponta) e uma escala de 24 horas que surge de forma concêntrica aos índices horários.

Tal como acontece com quase todos os modelos da Zeppelin, o desenho é tipo Art Déco, reminiscente da época em que os grandes dirigíveis alemães dominavam os ares. O mostrador é protegido por vidro mineral endurecido (K1) e a caixa em aço tem 41mm de diâmetro, resistência de 5 atmosferas e acabamento polido.

O resultado é um dress watch francamente bonito e com um preço bastante interessante, de 229€.

3 de junho de 2020

Citizen CA0741-89E

Depois de um cronógrafo XXL da Casio, trago-vos hoje outro cronógrafo, mas num formato bem mais consensual, com uma caixa de 43mm de diâmetro. Trata-se do modelo CA0741-89E da "Of Collection" da Citizen, um belíssimo modelo de estilo militar, com grandes numerais nas quatro principais posições horárias e ponteiros que lembram os dos instrumentos analógicos dos aviões.

Nada tenho a apontar ao desenho, além de achar que (para o meu gosto, claro), é muito bonito! O bisel é simples e sem qualquer escala adicional – eventualmente, ficaria aqui bem um taquímetro... – e os poussoirs têm também um formato que me agrada, o mesmo se podendo dizer da coroa.

No entanto, o que mais me chama a atenção é, de facto, o mostrador, que é muito bem desenhado, com ênfase na legibilidade imediata. A Citizen indica que este relógio tem aplicação de material luminescente nos numerais, índices e ponteiros.

O movimento de quartzo usado é já nosso conhecido Citizen Eco Drive, com energia recolhida a partir da luz (do sol ou artificial) e reserva de marcha para cerca de sete meses. A caixa, com os já referidos 43mm de diâmetro, tem resistência à água até 10 atmosferas/100m.

O preço de referência indicado pela Citizen Portugal é de 199€, mas podemos encontrá-lo por menos 20€ na Amazon Espanha. Uma referência CA0741-89L com mostrador azul não está (à data da criação deste post) no site Citizen.pt, mas pode ser encontrado também na Amazon Espanha e por um preço ainda menor, de apenas 160€.

27 de maio de 2020

Casio Edifice EFS-S510D-1AVUEF


Os leitores deste blog conhecem bem a gama Edifice da Casio, uma vez que tenho trazido aqui vários modelos desta gama de relógios elegantes da marca japonesa. Esta é uma gama que tem crescido bastante dentro da Casio, ao ponto de a marca ter agora várias sub-categorias, nomeadamente Bluetooth, Premium e Classic. 

Este cronógrafo que hoje trago ao blog pertence à gama Edifice Premium e tem a referência EFS-S510D-1AVUEF, disponível também com mostrador azul (Ref.ª EFS-S510D-2AVUEF) e começa por ter a particularidade de ser muito grande, algo que a foto, sem referência, não deixa transparecer: a caixa tens uns substanciais 52mm – ou seja, 10mm mais do que aquilo que, pessoalmente, me sinto confortável usar. No entanto, para quem goste de relógios grandes, mas se depare com uma escolha no mercado que nem sempre prima pela elegância, esta parece-me uma excelente proposta.

O relógio é muito bem desenhado e as proporções não deixam, de facto, perceber de imediato que estamos perante um relógio XXL. O movimento usado, de quartzo, é alimentado pela luz, o que significa que possui uma bateria interna recarregável que não necessita de ser mudada. Um indicador de nível de carga permite sabermos se é necessário expô-lo à luz para mantermos a autonomia.

O desenho inclui um bisel preto com escala de minutos/segundos que contrasta com o minimalismo do mostrador, o qual optou por índices para assinalar as principais posições horárias. Uma janela de data às 3 horas equilibra o desenho com os três sub-mostradores às 6, 9 e 12 horas.

A caixa em aço tem resistência à água de 10 atmosferas (100m) e a bracelete também em aço possui fecho de báscula com segurança para evitar a abertura acidental.

Deixei para o final a piéce de resistance: este relógio possui mostrador protegido por vidro de safira (!) e custa apenas 169€ na loja online da marca em Portugal. Pode ainda ser comprado por menos na Amazon Espanha: esta referência, com mostrador preto, custa 152€ e a variante com mostrador azul fica por apenas  142€

20 de maio de 2020

Seiko 5 SRPD51K1


A Seiko renovou recentemente a sua lendária gama Seiko 5 Sports com quase 30 modelos – muito embora todos eles sejam exatamente o mesmo relógio, com variantes no tipo bracelete, cor do mostrador e da caixa.

O modelo que vos trago hoje é o primeiro que surge na página da marca em Portugal relativa a esta coleção e é, quanto a mim, o mais bonito de todos – e estou certo de que leitores do meu blog encontrarão por lá um modelo de que gostem, com tantas variantes disponíveis.

O estilo, como se nota, é do típico "diver watch", ao qual não falta sequer o bisel rotativo unidirecional e a coroa deslocada para a posição das 4 horas, que faria mais sentido num relógio com uma caixa maior, do que neste, com 42,5mm de diâmetro – grande, mas não muito grande no contexto dos relógios de mergulho.

No entanto, este não é um relógio de mergulho, já que, como todos os outros Seiko 5, tem uma resistência à água de apenas 100m – eu não levaria para o mar ou até mesmo para a piscina, nada que oferecesse menos de 200m de resistência.

Tal como é habitual nos Seiko 5, também aqui encontramos o calendário com dia e data às 3 horas, cortesia do movimento Seiko 4R36, bem mais moderno do que o de Seikos desta gama de outrora, e que oferece funcionalidades adicionais, entre elas paragem de segundos para facilitar o acerto e possibilidade de dar corda manual para rapidamente repor a reserva de marcha.