21 de outubro de 2020

Frederique Constant Classics Gents Quartz FC-225GT5B6

 


Aqui há uns anos havia um modelo da marca sul-coreana Hyundai que era "acusado" de ser parecido com um Ferrari 456. Ao que eu sempre me interroguei se ter um automóvel de 20.000€ inspirado na estética de um modelo de uma marca lendária que custa 10 vezes mais, seria assim uma coisa tão má!

Vem isto a propósito de muitos comentários que leio e vejo (no Youtube) sobre o facto de a marca suíça Frederique Constant ser "a Patek Philippe dos pobres". Bem, tendo em consideração que os Patek Philippe são tão caros que a marca teve de criar uma estratégia de marketing (genial, por sinal) que sugere que são um investimento que será para ficar na família, através das próximas gerações; e que os Frederique Constant também não são assim tão baratos, parece-se que é um tipo de acusação que só fica bem à Frederique Constant, em nada servindo para afetar a sua imagem de marca.

No entanto, e não sendo eu um perito em relojoaria, mas apenas um entusiasta, parece-me claro que esta é uma marca bastante subestimada (o que é excelente para quem anda à procura de relógios B3!), talvez devido ao facto de se tratar de uma empresa bastante jovem, fundada em 1988 e cuja primeira coleção de relógios foi lançada em 1992.

Mas a verdade é que a Frederique Constant nunca teve como objetivo simplesmente ser "mais uma marca", tirando partido do prestígio da sua produção na Suíça. Pelo contrário, muitos dos seus relógios possuem movimentos produzidos "in house", que é sempre um sinal de prestígio e diferenciação no competitivo mundo da relojoaria e que a colocam no campo prestigioso das "manufacturas".

Todo este interlúdio serve para justificar trazer-vos hoje um relógio desta marca, o modelo Classics Gents Quartz com a referência FC-225GT5B6. Vamos começar pelo fim: o preço de referência é de 670€, mas pode ser adquirido na Amazon Espanha por menos de 500€.

As especificações são relativamente modestas, dado ser usado aqui um movimento de quartzo, muito embora tenhamos direito às complicações clássicas do dia e data às 3 horas, tão do meu agrado. A caixa, em aço, tem 40mm de diâmetro; a bracelete é em pele e, claro, o vidro é de safira, neste caso de formato ligeiramente convexo. Existe uma variante com mostrador branco que é também muito bonita.  

O mostrador é efetivamente muito bem conseguido e, quanto a mim, é o que distingue este relógio de outros muito mais baratos, com a sua decoração "Clou de Paris" e índices metálicos aplicados em todas as posições horárias.

Cerca de 500 euros por um relógio de quartzo? Sim. Mas não é um relógio de quartzo qualquer: é um Frederique Constant! ;-) 

Sem comentários :

Enviar um comentário